tdah

Leave a comment
aprendizagens

Fiquei aqui pensando no motivo pelo qual procrastino. Ora, procrastinar me soa um belo e sedutor de um trava língua ao qual eu não resisto. Esse enrolar até o céu da boca, essa palavra feminina que apesar de ser verbo não necessariamente indica ação, podendo ser simplesmente uma inclinação ao não fazer, ao contemplar o belo. A letra de uma música, um chamego na felina que pousa no parapeito da janela, a luz amarelo-âmbar do fim de tarde olindense, a música que o vizinho ouve, o jogo de dominó daquela senhora cujo único divertimento é esse, aquele suco maravilhoso no meio da tarde, um cochilo inesperado, um livro que ficou esquecido na estante, uma crônica pra fugir da formalidade do trabalho, uma mensagem carinhosa pra alguém que se adora e tem saudade, um vídeo do porta dos fundos, uma receita vegana, uma visita inesperada, um telefonema. Ai, que delícia que é procrastinar. Ai que desespero que dá.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *