enigma III

Leave a comment
enigmas

Como Deusa, te criei
como poeta te escrevo
te ilustro, te iludes, me confessas.
Corrosivamente, te exploro e explodes
feito bruma leve que pousa em solo sereno.
Se te fiz em palavras
te desmonto em meu silêncio
toda a matéria fria e vã
que é teu corpo sem meus olhos
teu pecado é não ser Deus,
peça perdão
e despeça-se.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *