desnascer e florescer

Leave a comment
visceral

(Para Laís Lapa)

Hoje talvez eu pudesse escrever o verso mais dolorido
[da minh’alma.
Hoje, quando a calma me inunda tamanho é o desespero
[perante a dor que anestesia.
Se nascer dói, vos adianto que morrer um bocadinho por
[dentro estando viva, também.

O balanço é um só: vastidão, solitude.
O vazio irriga minhas veias onde pulsara tanta vida.
E pulsa! sempre pulsará.

Ventre que carrega a vida.
Vida que carrega o ventre, feito o curso de um rio.

Aos desejos da mãe maior: entrega.
Observo o leito que espera
o leite que seca, e as lágrimas que correm.

Na seiva encardida mergulho,
e já de volta a superfície: enfim respiro, e renasço.

Tal qual num parto para dentro: a vida vibra aqui,
e aqui há uma fêmea que ao passo que despetala,
desabrocha ainda mais formosa, firme e plena.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *