anatomia às avessas

Leave a comment
visceral

Fazer parte de uma história
registrado feito fotografia

Retrato emoldurado
na parede da memória afetiva
Gravado nos devaneios da licença poesia

Paredes dessa casa-ninho
onde só pousam pessoas-passarinhos,
A decretar a leveza de suas asas:

Amor liberto que nada pede e tudo entrega.

Eu não sou uma pessoa que carrega um sentimento.
Eu sou esse sentimento, que, por acaso
E não mais que transitoriamente,
carrega uma pessoa.

Porque o corpo falece; amor floresce

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *