Month: Abril 2010

dalí na parede

Leave a comment
visceral

Dalí na parede nos revela: Nada está como é Nada é apenas o que parece Tudo é mais ainda o que não se vê Mas o que parece E o que é? O que há de haver Além do nós e do agora? A fumaça em arabescos flutuando com plenitude E Dalí na parede Estranhamente a nos observar sem pudor Com seus olhos e múltiplas faces Dalí na parede Eu e você Dalí na parede […]

emoção atemporal

Leave a comment
visceral

Um encontro entre os dedos um breve olhar: e eu a um toque do abismo a um sopro da plenitude. Teusmeus braçosabraços minutos de contemplação… e eu pouso na inércia do ar. Sendo assim: Onde vou planar sob o acidente dos teus lábios? Limbo! Azul de mar… Amor dos tempos de minhalma não me cabe pressa de viver contigo já vivo por toda eternidade e uma vida nessa história toda é um beijo na tua […]