Month: Janeiro 2010

os meninos cinzas de recife

Leave a comment
visceral

Os meninos cinzas das ruas de Santo Amaro, Os meninos em branco e preto de Recife. Me fizeram crer que era puro egoísmo, meu bom humor de tarde quente, meu bom humor de terça-feira de verão. e o é, e o somos. Os meninos cinzas de Santo Amaro, são meninos filhos, meninos fruto do nosso ventre, do ventre do nosso silêncio. Silêncio que nos ata as mãos, e nos cega a vista. Os meninos cinzas […]

o pescador e o poeta

Leave a comment
visceral

A lua, Que empurra o mar pro pescador namorar É a mesma que em seu fluxo puxa levando o pescador pro além mar Já vistes, menina, o quanto são azuis Os devaneios de quem é de amar? De quem é poeta, De quem é da pesca, de quem é do mar? Jangadas dançam ao manso fluxo das águas salgadas Desenhando rimas, Ao sopro dos ventos, e dos caprichos das tardes ensolaradas É da dança leve […]